Delator da Odebrecht diz ter pago R$ 9 milhões em caixa dois a Aécio Neves e aliados

Foto: Divulgação
O ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedito Júnior, o BJ, disse em depoimento ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na quinta-feira (02) que a empreiteira baiana pagou R$ 9 milhões em caixa dois para campanhas eleitorais do PSDB.
O pedido de ajuda teria sido feito pelo próprio Aécio, que em 2014 concorria à Presidência da República. Ele teria solicitado doação de recursos para outros candidatos da legenda, já que na época era presidente do PSDB. A assessoria de imprensa do tucano confirma que ele solicitou apoio para “inúmeros candidatos”, mas que jamais pediu que a ajuda fosse feita por meio de caixa dois.
Questionado sobre o assunto, o advogado de Aécio, Flávio Henrique Pereira, disse que “em momento algum o depoente afirmou que o senador pediu contribuição por meio de caixa dois, mesmo porque isso nunca ocorreu”. O depoimento foi dado no processo no Tribunal Superior Eleitoral que investiga irregularidades na chapa composta por Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB).
Segundo o depoimento de BJ, a Odebrecht repassou R$ 6 milhões para serem divididos pelas campanhas de Pimenta da Veiga, Antonio Anastasia e Dimas Fabiano Toledo Júnior. Ainda de acordo com ele, outros R$ 3 milhões foram para o publicitário Paulo Vasconcelos, responsável pela campanha presidencial de Aécio.
Pimenta da Veiga foi o candidato tucano derrotado ao governo de Minas Gerais, em 2014, e Antonio Anastasia foi eleito ao Senado pelo partido. Dimas Fabiano foi eleito deputado federal naquele ano pelo PP mineiro. Ele é filho de Dimas Toledo, ex-diretor de Engenharia de Furnas, acusado de operar um esquema de propina na estatal.
O ex-executivo da Odebrecht não pôde detalhar a acusação de caixa dois para Aécio porque foi interrompido pelo ministro Herman Benjamin, relator do processo no TSE. Segundo o ministro, os detalhes da doação a pedido do tucano não são pertinentes ao caso, que investiga apenas a chapa Dilma-Temer, apesar de terem, de acordo com ele, “relevância histórica”. O processo contra Dilma e Temer foi movido pelo próprio PSDB, derrotado na eleição presidencial de 2014, com o próprio Aécio como candidato.
Outro lado
Procurada, a assessoria de Aécio disse que o senador “solicitou, como dirigente partidário, apoio para inúmeros candidatos de Minas e do Brasil a diversos empresários, sempre de acordo com a lei”. Segundo ele, “como já foi divulgado pela imprensa, o empresário Marcelo Odebrecht, que dirigia a empresa, declarou, em depoimento ao TSE, que todas as doações feitas à campanha presidencial do senador Aécio Neves em 2014 foram oficiais”.
A assessoria de Anastasia declarou que ele “nunca tratou, no curso de sua trajetória pessoal ou política, com qualquer pessoa ou empresa sobre qualquer assunto ilícito”. (O SUL)

Postar um comentário

My Instagram

Designed by OddThemes | Distributed by Blogger Themes