segunda-feira, abril 24, 2017

A Agência Nacional de Telecomunicações começou a se reunir com as operadoras para montar um mapa de todas as redes de telefonia do País

Foto: Reprodução
A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) começou a se reunir com as operadoras para montar um mapa de todas as redes de telefonia do País. O resultado do trabalho deverá revelar um retrato colorido e detalhado da infraestrutura de cada tele em mais de 5 mil municípios. Quanto menor a cidade, menos serão as interseções, chegando, finalmente, a cerca de 1,6 mil delas com apenas uma cor, a que for atribuída à Oi, como única operadora da localidade. Nas contas da Anatel são 2 mil localidades. Mas onde atuam pequenos provedores de internet, a Oi considera que não está sozinha.
A ideia de fazer o levantamento nasceu pela necessidade de a agência reguladora ter um plano de contingenciamento devido à crise que a Oi atravessa. Em processo de recuperação judicial desde junho de 2016, a maior concessionária de telefonia fixa desperta o interesse de investidores, mas ainda não conseguiu consenso com credores sobre uma dívida de R$ 65 bilhões.
Inicialmente, a Anatel esperava que cada operadora lhe apresentasse um plano de contingenciamento. Mas acabou convencida de que ela própria era a única com potencial para a tarefa. As operadoras não conhecem em detalhes as redes umas das outras, por serem confidenciais, o que deixaria cheio de buracos um plano concebido pelas companhias. Assim, cada uma entrega seus dados à agência, que poderá desenhar um mapa nacional detalhado, antecipando propostas que possam anular eventuais crises em áreas desprovidas de redes concorrentes.
Outra vertente que ganhou relevância na elaboração desse plano é até que ponto a crise financeira teria contaminado a parte operacional da Oi. Como é a maior concessionária de telefonia fixa do País e as concorrentes usam sua infraestrutura para chegar a milhares de localidades, houve questionamentos no mercado se essa malha nacional interconectada correria o risco de entrar em colapso. (O SUL)

Tags

0 comentários: