sexta-feira, maio 05, 2017

BOLSONARO ACELERA NEGOCIAÇÕES PARA TROCAR PSC POR ‘MUDA BRASIL’, PARA DISPUTA PRESIDENCIAL DE 2018

Porteira fechada O deputado Jair Bolsonaro (RJ) acelerou as negociações para trocar seu partido atual, o PSC, pelo “Muda Brasil”, legenda que ainda está em processo de criação e é patrocinada pelo ex-deputado Valdemar Costa Neto, condenado no mensalão. Bolsonaro, que aparece em cenários do Datafolha na segunda colocação para a disputa presidencial de 2018, não migrará sozinho. Ele planeja levar os três filhos para a nova sigla. Lançará dois à Câmara e um, Flávio Bolsonaro, ao Senado.

Testa de ferro José Renato da Silva, presidente do “Muda Brasil”, é quem está formalmente à frente da criação da legenda. Ele disse que, na próxima semana, entrega ao TSE as 486 mil assinaturas exigidas para que a sigla consiga logo o registro.
Conexões Ex-dirigente do PR de Valdemar Costa Neto, José Renato diz que ainda “não pode tocar conversas com quem quer que seja”, mas admitiu ligação com a família Bolsonaro. Em 2014, ele atuou na prestação de contas do deputado Eduardo Bolsonaro (PSC-SP).
Tempo fechado A decisão do ministro Edson Fachin de empurrar para o plenário o habeas corpus de Antonio Palocci causou irritação generalizada na segunda turma do Supremo, que originalmente trata da Lava Jato. O único que neste momento atua como bombeiro no impasse é o decano Celso de Mello.
Couraça Integrantes e assessores da corte não economizaram críticas a Fachin. Disseram que ele deu provas de que não tem “calosidade” para ocupar a posição em que está. Houve ainda ironia pelo fato de a decisão ter sido combinada com a presidente do Supremo, Cármen Lúcia.
Acho é pouco Advogados da Lava Jato aproveitaram para jogar ainda mais gasolina no episódio, dizendo que Edson Fachin descredibilizou a segunda turma.
E amanhã? Integrantes da corte não minimizaram o incômodo e fizeram questão de lembrar que, ganhando ou perdendo no plenário, Fachin terá de conviver com a segunda turma até o fim da Lava Jato.
Limpa a gaveta O governo Michel Temer publica nesta sexta-feira (5) no Diário Oficial da União a exoneração do presidente da Funai, Antonio Costa (PSC). Por enquanto, o cargo ficará vago.
Atados No jantar em que debateu a reforma da Previdência diante de Michel Temer, a cúpula do PSDB ressaltou a aliança com o governo mas disse que só topa fechar questão sobre as mudanças nas regras de aposentadoria se o PMDB, partido do presidente, o fizer antes.
Meu tempo Aos tucanos, Temer disse que pretende levar a reforma da Previdência ao plenário da Câmara em cerca de três semanas.
Palanque Membros da Comissão de Direitos Humanos da Câmara levam nesta sexta (5) às Nações Unidas documento que lista 40 propostas legislativas que, afirmam, são danosas à população. Entre elas, as reformas trabalhista e da Previdência.
Produtividade Relator da reforma trabalhista na Câmara, Rogério Marinho (PSDB-RN) produziu texto e gravou sozinho 15 pequenos vídeos para redes sociais que explicam a proposta. “Fiz tudo, menos a edição”, conta.
Doria paz e amor Após acenar a Andrea Matarazzo, João Doria (PSDB-SP) almoçou nesta quinta (4) com Paulinho da Força (SD-SP), dirigente da central sindical que fez do tucano o judas do Dia do Trabalho. “Foi ótimo. Docinho de lá, docinho de cá”, brincou o prefeito.
Ampulheta O julgamento do governador Fernando Pimentel (MG) na corte especial do STJ ficará para o próximo semestre. Motivo: além do prazo para a análise das denúncias, o colegiado só se reúne de 15 em 15 dias.
TIROTEIO
O juiz está diante de um dilema humano-zoológico: são lágrimas de crocodilo, amargo arrependimento ou simples horror a barata?
DO DEPUTADO CHICO ALENCAR (PSOL-RJ), sobre o ex-assessor do governador Pezão que admitiu ter recebido propina, chorou e clamou por prisão domiciliar.
CONTRAPONTO
Inimigos, inimigos. Votos à parte
Arquirrival do senador Romero Jucá (PMDB) em Roraima, Telmário Mota (PTB) se viu obrigado a votar a favor do relatório do algoz sobre a medida provisória da regularização fundiária na comissão mista que analisa o tema. Ainda assim, não deixou de provocá-lo.
— Pelo bem do meu povo, pelo bem de Roraima, que há mais de 30 anos espera a regularização, onde senadores e alguns políticos ladrões roubaram o sonho do meu povo, essa medida veio para dar tranquilidade. Voto sim.
Romero Jucá, que passou a sessão na mesa da presidência da comissão, não ficou para ouvir o discurso. Deixou quando Telmário pediu a palavra. (Folha de São Paulo)

0 comentários: