terça-feira, maio 09, 2017

Neonazistas ajudam a convocar 'ato cívico' pró-Bolsonaro em São Paulo

Foto:Reprodução
Uma manifestação de apoio ao deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) está sendo convocada na internet para o próximo sábado (9), às 11h, no vão do Masp, em São Paulo. O protesto, batizado de "ato cívico", está sendo divulgado em rede sociais como o Orkut e no fórum "Stormfront", administrado pelo movimento neonazista "White Pride World Wide" .

No fórum, o tópico utilizado para divulgar a manifestação foi aberto ontem e apagado hoje, mas o cache do Google que indexa as páginas apagadas registrou as mensagens.
A convocatória, publicada por um membro denominado "Erick White", diz: "Vamos dar o nosso apoio ao único Deputado que bate de frente com esses libertinos e Comunistas!!! Será um manifesto Cívico, portanto, levem a família, esposas, filhos e amigos... (sic)".
O autor finaliza a mensagem com os números "14/88", simbologia nazista que faz referência a Adolf Hitler e ao nacionalista norte-americano David Lane, defensor do mito da supremacia branca.
No Orkut, onde não há referências racistas ou nazistas explícitas, o ato foi divulgado em comunidades de apoio a Bolsonaro. São elas: "Sou fã do dep. Jair Bolsonaro", com 4.086 membros; "Jair Bolsonaro para Presidente" (2.469 membros); "Bolsonaro é o cara" (71). Entre todas as comunidades no Orkut sobre o deputado, as três mais numerosas demonstram apoio a Bolsonaro.

Declarações

As recentes polêmicas envolvendo o parlamentar começaram com um quadro do programa humorístico "CQC" exibido no último dia 28. Nele, a cantora Preta Gil perguntou ao deputado: "se seu filho se apaixonasse por uma negra, o que você faria?"
A resposta, considerada racista por Preta Gil e por colegas de Bolsonaro no Congresso Nacional, foi a seguinte: "ô, Preta, eu não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco. Meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambientes como lamentavelmente é o teu".
O deputado afirmou que se confundiu com a série de perguntas feitas no quadro e não se referiu aos negros em sua resposta.
Desde o episódio, Bolsonaro deu uma série de entrevistas nas quais fez criticas a homossexuais e elogios à ditadura militar. (UOL)

Tags

0 comentários: