quarta-feira, julho 26, 2017

Cinco milhões de trabalhadores brasileiros ainda podem sacar o dinheiro das contas inativas do FGTS

Foto: Divulgação
Os trabalhadores brasileiros já retiraram 98,33% do saldo disponível para saques das contas inativas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Desde março, foram retirados mais de R$ 42,8 bilhões de um total de R$ 43,6 bilhões depositados em contas inativas, de acordo com dados divulgados na terça-feira (25) pelo Ministério do Trabalho. Segundo a pasta, o saque ainda pode ser feito por 5 milhões de pessoas, que têm R$ 800 milhões para retirar.
O prazo para os saques das contas inativas do FGTS começou em março e termina na segunda-feira (31). Após essa data, os trabalhadores só poderão retirar o dinheiro do fundo nas situações previstas em lei. “O calendário para a retirada facilitada foi uma medida excepcional, com o objetivo de promover um alívio financeiro aos trabalhadores e o aquecimento da economia. Quem perder o prazo, só poderá realizar saques do FGTS nas situações previstas na legislação”, disse o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, em comunicado.
Como consultar o saldo
A Caixa criou o site exclusivo para as contas inativas, no qual o trabalhador pode visualizar o saldo e os canais disponíveis para realização do pagamento. O trabalhador pode ainda consultar o saldo no site da Caixa ou pelo aplicativo FGTS da Caixa.
Para realizar a consulta, o trabalhador deve informar seu número de CPF ou PIS/Pasep (NIS). O trabalhador pode consultar ainda seu extrato do FGTS presencialmente no balcão de atendimento das agências ou ir a um posto de atendimento e fazer a consulta utilizando o Cartão do Cidadão, desde que tenha em mãos a senha. Não é possível consultar o extrato do FGTS pelo telefone.
Segundo a Caixa, valores nas contas inativas de até R$ 1.500 podem ser sacados no autoatendimento, somente com a senha do Cartão do Cidadão. Para valores até R$ 3.000, o saque pode ser realizado com o Cartão do Cidadão e senha no autoatendimento, lotéricas e correspondentes Caixa. Acima de R$ 3.000, os saques devem ser feitos nas agências.
Para facilidade no atendimento, os trabalhadores devem sempre ter em mãos o documento de identificação e a carteira de trabalho ou outro documento que comprove a rescisão de seu contrato. Nogueira advertiu que, caso o trabalhador não retire o saldo existente até a data limite, os saques de contas inativas só poderão ocorrer dentro dos critérios estabelecidos em lei.
“O calendário para a retirada facilitada foi uma medida excepcional, com o objetivo de promover um alívio financeiro aos trabalhadores e o aquecimento da economia. Quem perder o prazo, só poderá realizar saques do FGTS nas situações previstas na legislação”, esclareceu o ministro.
Entre as situações previstas em lei para saques fora do prazo estão demissão sem justa causa; aposentadoria; doença grave, quando não houver depósito por três anos ininterruptos na conta; e aquisição de moradia própria, liquidação ou amortização ou pagamento de parte das prestações de financiamento habitacional concedido no âmbito do SFH.
Para sacar, o trabalhador precisa apresentar a carteira de trabalho. O documento só é obrigatório se a retirada for de mais de R$ 10 mil de uma das contas. Porém, se houver alguma falha no registro das suas informações, ele poderá ajudar a corrigir os dados do sistema. (O SUL)

Tags

0 comentários: