sexta-feira, julho 28, 2017

Megaoperação transfere 27 detentos de alta periculosidade do Rio Grande do Sul para presídios federais

Foto: Rodrigo Ziebell
A Secretaria da Segurança Pública do Rio Grande do Sul realizou nesta sexta-feira (28) uma megaoperação para transferir detentos de alta periculosidade do Estado para presídios federais. Segundo a pasta, essa foi a maior ação integrada já realizada em território gaúcho.
Mais de 3 mil homens de 20 instituições foram mobilizados para a execução da Operação Pulso Firme, que resultou na transferência de 27 presos. A Pasc (Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas) e a Penitenciária Modulada Estadual de Charqueadas foram definidas como bases para recebimento de presos oriundos de outras unidades gaúchas, entre elas a Cadeira Pública de Porto Alegre, o antigo Presídio Central.
Os apenados foram concentrados em Charqueadas e depois levados em comboio para a Base Aérea de Canoas, de onde seguiram de avião para os presídios federais de Porto Velho, em Rondônia; Mossoró, no Rio Grande do Norte; e Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Eles são líderes de facções criminosas, comandando o tráfico de drogas, ordenando execuções e outros crimes de dentro da cadeia. Os trabalhos iniciaram há cinco meses. Os presos transferidos representam as principais lideranças do crime organizado no RS. Somadas, as suas penas ultrapassam 1.200 anos de reclusão.
Os apenados foram selecionados em um trabalho conjunto da Secretaria da Segurança e de setores de inteligência. O critério estabelecido foi a posição na organização criminosa a qual pertencem, somada à capacidade de influência e de comando que possuem dentro e fora do sistema penitenciário.
“A Operação Pulso Firme demonstra o potencial da integração no combate à criminalidade. O que estamos fazendo é pioneiro no Rio Grande do Sul”, afirmou o secretário Cezar Schirmer. “Um marco histórico que ilustra a capacidade técnica de todos os envolvidos. A Operação Pulso Firme comprova que a integração é caminho para atingirmos os nossos objetivos”, destacou.
Para o governador José Ivo Sartori, a integração promovida é o início de um novo momento que beneficiará muito a sociedade rio-grandense. “Esse é o Estado que a sociedade quer, um Estado a serviço das pessoas. Estamos presenciando o começo de um esforço que deve ser contínuo, permanente. Como governador, mas principalmente como cidadão, minha palavra é de apoio, incentivo e gratidão”, declarou o chefe do Executivo.
Entre os órgãos que atuaram na megaoperação estão Brigada Militar, Polícia Civil, Susepe (Superintendência dos Serviços Penitenciários), Instituto-Geral de Perícias, Corpo de Bombeiros, Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ministério da Defesa, Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Justiça Federal, Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, Ministério Público gaúcho e prefeitura de Porto Alegre. (O SUL)

0 comentários: