sexta-feira, julho 28, 2017

O governo vai pagar a primeira parcela do 13º salário dos aposentados em agosto

Foto: Banco de Dados
O governo publicou um decreto no Diário Oficial da União desta sexta-feira (28) em que estabelece para agosto o pagamento da primeira parcela do 13º salário para aposentados e pensionistas. A parcela de agosto será correspondente a 50% do valor do benefício do mês e será paga junto com os benefícios da folha mensal. Já a segunda parcela será paga em novembro.
Tem direito ao 13º quem, durante o ano, recebeu benefício previdenciário como aposentadoria, pensão por morte, auxílio-doença, auxílio-acidente, auxílio-reclusão ou salário-maternidade. Já para quem recebe auxílio-doença e salário-maternidade, o valor do 13º vai ser proporcional ao período recebido.
Aqueles que recebem benefícios assistenciais (Benefício de Prestação Continuada da Lei Orgânica da Assistência Social – BPC/LOAS e Renda Mensal Vitalícia – RMV) não têm direito ao abono anual.
Depósitos
O pagamento da primeira parcela começará a ser depositado seguindo o calendário de pagamentos dos benefícios previdenciários do mês de agosto, para os segurados que recebem até um salário mínimo e possuem cartão com final 1, desconsiderando-se o dígito. Quem ganha acima do mínimo começa a receber a partir de setembro.
A segunda parte do abono será creditada na folha de novembro e o desconto do Imposto de Renda, se for o caso, incidirá somente sobre a segunda parcela da gratificação, segundo o Ministério da Fazenda.
Histórico
Em 2016, mais de 28 milhões de segurados da Previdência Social receberam o adiantamento do 13º a partir do dia 25 de agosto. Desde 2006, o governo antecipa a primeira parcela do 13º salário dos aposentados e pensionistas na folha de agosto.
Em 2015, porém, em meio ao ritmo fraco da economia e à consequente queda da arrecadação, o governo, ainda sob o comando da presidente afastada Dilma Rousseff, só fez o pagamento da primeira parcela em setembro. 
Dívidas de aposentados com empréstimos
Enquanto o mercado de crédito continua a encolher no Brasil e o estoque de financiamentos registra retração de 1,6% nos últimos 12 meses encerrados em junho, os empréstimos consignados se mantêm em alta, conforme dados divulgados pelo BC (Banco Central). O estoque dessa modalidade cresceu 14,8% nos últimos 12 meses. Só no primeiro semestre deste ano, a alta foi de 9,1%. Beneficiários do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) são os que mostram o maior apetite pelos financiamentos. Eles devem R$ 110 bilhões a instituições financeiras.
A explicação para essa disparada é que, diante da crise econômica e da escalada do desemprego, o sustento de muitas famílias recai sobre os aposentados e pensionistas do INSS. Muitos deles tomam empréstimos para cobrir as dívidas de filhos e netos, além de arcar com as demais contas da família. Outro grupo que continua a demandar empréstimos consignados é o dos servidores públicos, que acumulam dívida de R$ 172,5 bilhões. Nos últimos 12 meses, a alta do estoque de crédito dos funcionários da administração pública chegou a 3,1%. Neste ano, a expansão foi de 2,7%. (O SUL)

Tags

0 comentários: