Rebelião causa incêndio em centro de detenção provisória de Pinheiros

Foto: Reprodução
Presos colocaram fogo em colchões no CDP (Centro de Detenção Provisória) de Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo. Segundo a Polícia Militar, os detentos iniciaram uma rebelião no presídio onde ficam os detentos provisórios, ainda sem condenação, na capital paulista.
Quatro equipes do Corpo de Bombeiros foram enviadas para lá e controlaram o fogo. Imagens aéreas mostraram os presos jogando colchões e camisetas no fogo, que atingiu dois pátios.
Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária informou que “presos do Centro de Detenção provisória de Pinheiros I se envolveram em uma ato de indisciplina, ateando fogo em colchões”. Às 13h20min os detentos tinham sido levados para um dos pátios e foram contados.
A pasta informou também que o Grupo de Intervenção Rápida foi acionado e entrou na unidade para restabelecer a ordem. Ainda conforme a nota da secretaria, não há reféns e por enquanto não há informações de feridos.
O CDP fica ao lado da Marginal Pinheiros. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a pista local foi bloqueada por causa do incêndio. A PM informa que foi feito um cerco no local e não havia o registro de fugas.
O CDP Pinheiros I está superlotado. Dados do site da SAP indicam que a unidade abriga 1.383 detentos, enquanto sua capacidade é de 521. Ou seja, o CDP I opera 165,5% acima do normal.
Transferências em janeiro
Em janeiro, o governo de São Paulo transferiu 70 detentos de facções rivais ao PCC (Primeiro Comando da Capital), que lidera o comércio de drogas no estado. A medida teve como objetivo evitar possíveis conflitos, segundo a SAP (Secretaria da Administração Penitenciária).
A determinação foi dada pelo titular da pasta, Lourival Gomes, e ocorreu após rebeliões no Amazonas e em Roraima deixarem diversos mortos. Os assassinatos ocorreram devido à disputa entre e o PCC e a facção rival carioca, CV (Comando Vermelho), pelo controle dos presídios e do tráfico de drogas no país.
Informações apontaram na época que a ordem para que o CV matasse membros do PCC em Manaus havia partido de uma penitenciária federal em Mato Grosso do Sul, onde está um dos líderes da FDN (Família do Norte) preso durante a Operação La Muralla da Polícia Federal, em 2015. A chacina ocorrida na capital amazonense no primeiro dia do ano deixou 56 mortos. A FDN é aliada do CV e controla a venda de drogas e armas no Norte do país.
Em São Paulo, os presos transferidos após as rebeliões foram levados para unidades consideradas neutras, não dominadas por nenhuma facção criminosa. Por questões de segurança, a SAP diz que “os locais para os quais os presos foram removidos não serão divulgados”.
O governador Geraldo Alckmin afirmou na época que os 70 presos haviam sido transferidos em outubro. Ele disse não saber qual é a quantidade de transferências feitas neste ano após as rebeliões nos estados do Norte.
“Esse é um trabalho de inteligência da Secretaria de Administração Penitenciária com a Segurança Pública e outros órgãos que é feito permanentemente. Então você se antecipa, tem um trabalho de inteligência, isola quem precisa isolar”, declarou Alckmin em evento no Palácio dos Bandeirantes. (O SUL)

Postar um comentário

My Instagram

Designed by OddThemes | Distributed by Blogger Themes