sexta-feira, setembro 01, 2017

Produtores querem cota para importação de leite do Uruguai

Foto: Carlos Silva

Os produtores de leite e derivados da Região Sul, principalmente do Rio Grande do Sul, têm enfrentado sérias dificuldades nos últimos meses, em virtude do aumento da importação de laticínios. O ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) recebeu, nesta terça-feira (22), de representantes da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) sugestões de medidas que poderão inibir o volume de importação de leite uruguaio, que estaria desequilibrando os preços no Brasil. 

O governador gaúcho José Ivo Sartori e a senadora Ana Amélia (PP/RS), entre outras autoridades, solicitaram intercessão de Maggi junto ao governo do Uruguai. "A segunda maior bacia leiteira do Brasil está no nosso estado. São 4,6 bilhões de litros produzidos por ano, em mais de 100 mil propriedades em 467 municípios. Muitas famílias têm nessa vocação a sua única forma de se sustentar. Precisamos encontrar alternativas para preservar o setor", argumentou Sartori. 

Maggi deverá tratar, em encontro em São Paulo na próxima semana, com o ministro da Pecuária, Agricultura e Pesca do Uruguai, Tabaré Aguerre, da preocupação de produtores de leite com as importações do produto. O ministro deverá propor um acordo de cota, a exemplo do que já está em vigor com a Argentina. Uma das propostas recebidas pelo ministro é de alterar a Instrução Normativa nº 11/1999, proibindo a compra para programas governamentais de produto lácteo não embalado no estabelecimento de origem, além da exigência da redução do período de validade em prateleira quando internalizado. 

NÚMEROS 

De acordo com a OCB, o Brasil foi destino de 86% do leite uruguaio em pó desnatado e 72% do integral, em 2017. Nos primeiros seis meses deste ano, já foram importadas 41.811 toneladas de leite em pó do país. A tarifa zero em vigor e a ausência de uma negociação de cota, tem desagradado a produtores nacionais. 

O Sindilat apresentou alguns dados na audiência pública realizada pela Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados no dia 15. Segundo o secretário executivo do Sindilat, Darlan Palharini, o Uruguai produziu 1,7 bilhão de litros de leite em 2016 e consumiu 700 milhões de litros. Se convertido em pó, renderia 120 mil toneladas. Só o Brasil recebeu 100 mil toneladas de leite em pó e 18 mil toneladas em queijos do país vizinho, o que representa praticamente todo o volume restante. Os números, segundo, indicam uma possível triangulação de produção de outros países para ingresso no Brasil com incentivo. “O Uruguai se diz o sétimo maior exportador de lácteos do mundo. Em casos como esse, o governo brasileiro tem que agir porque prejudica muito o mercado nacional, principalmente os estados do Sul do Brasil”, frisou durante sua manifestação. (Portal do Produtor)

Tags

0 comentários: