• Dilma cogita disputar uma vaga no Senado pelo Estado do Piauí

    Dilma Rousseff discute com amigos um novo projeto: a reinvenção de sua carreira política. Em uma conversa recente, admitiu candidatar-se ao Senado em 2018. Só não soube dizer por qual Estado. Mora no Rio Grande do Sul e nasceu em Minas Gerais. Mas discutiu a sério a hipótese de disputar a vaga de senadora pelo Piauí, Estado governado pelo petista Wellington Dias.
    Conforme o colunista Josias de Souza, não foi a primeira vez que o Piauí entrou no radar de Dilma. A cogitação nascera há coisa de cinco meses. Causara certo desassossego no petismo piauiense, forçando o governador a negar que estivesse negociando com Dilma a transferência do domicílio eleitoral dela de Porto Alegre para Teresina. A novidade é que a ex-presidente voltou a falar sobre o assunto.
    No Rio Grande do Sul, o PT já escolheu o senador Paulo Paim como candidato à reeleição para o Senado.
    Em 2012, quando Dilma participou da mal sucedida campanha do petista Patrus Ananias à prefeitura de Belo Horizonte, em Minas Gerais, Aécio Neves fustigou-a. Disse que os eleitores mineiros conheciam melhor a sua capital do que “qualquer estrangeiro.” Tratada como forasteira, Dilma reagiu. Caprichando na ironia, sapecou: ”Nasci aqui em Belo Horizonte, no hospital São Lucas. Saí daqui para lutar contra a ditadura, e não para ir à praia. […] Aqui na minha veia corre o sangue de Minas Gerais, por isso sou presidente de todos os brasileiros.” A alusão à “praia” não foi gratuita. Aécio é conhecido pelo apreço que devota ao Rio de Janeiro.
    Em um novo enfrentamento, Dilma e Aécio poderiam trocar de assunto: em vez do debate sobre certidões de nascimento, discutiriam o prontuário um do outro. Ela tornou-se um inquérito esperando na fila da Operação Lava-Jato para acontecer. Ele virou um colecionador de processos criminais. Por ora, soma nove. (Osul)
  • You might also like

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário