sexta-feira, janeiro 05, 2018

Plantio de soja na Argentina atinge 87,5% da área


O plantio de soja da safra 2017/18 na Argentina avançou 5,6 pontos porcentuais em uma semana, atingindo 87,5% da área prevista de 18,1 milhões de hectares, informou a Bolsa de Cereais de Buenos Aires, em relatório semanal. O atraso em relação ao ano anterior era de 4,7 pontos porcentuais. Conforme a bolsa, a semeadura de soja e de milho segue avançando no centro e sul do país, mas no noroeste e nordeste os trabalhos de campo são lentos por causa da falta de umidade no solo.

“Em escala nacional, ainda falta incorporar mais de 2,25 milhões de hectares (de soja) dos 18,1 milhões de hectares projetados para o atual ciclo. Cerca de 75% da área remanescente se localiza no norte do país, onde altas temperaturas e a falta de precipitações atrasam o plantio nas regiões nordeste e noroeste”, disse a bolsa. Conforme o relatório, mais de 1,7 milhão de hectares no noroeste e nordeste do país precisam de umidade para conclusão do plantio. “Apesar do cenário atual, ambas as regiões têm de duas a três semanas para semear a soja.” No centro da região agrícola, falta plantar 200 mil hectares.
No sul da área de cultivo, ainda precisam ser semeados 350 mil hectares, na sequência do trigo e da cevada. “Parte dessa superfície poderia ser deixada fora da rotação durante o ciclo atual, colocando em risco a estimativa nacional de área destinada à soja devido à falta de umidade no solo e ao fechamento iminente da janela de plantio em áreas do centro e sudoeste de Buenos Aires e sul de La Pampa, bem como na região de Cuenca del Salado.”
Quanto ao milho, o plantio alcança 77,9% dos 5,4 milhões de hectares previstos para a temporada 2017/18, avanço de 7,7 pontos porcentuais ante a semana anterior. Segundo a bolsa, foram semeados até agora 5,4 milhões de hectares de milho, ante 5,1 milhões de hectares plantados um ano atrás.
Para o trigo, o avanço da colheita da safra 2017/18 foi de 10,4 pontos porcentuais, para 91,6% da área. A bolsa manteve a projeção de produção em 17 milhões de toneladas. (Dinheiro Rural)

0 comentários: