• Caminhão é alvejado por três tiros ao passar por local de protesto no RS

    Foto: Polícia Rodoviária Federal 
    Ainda durante o segundo dia de protesto dos caminhoneiros contra a alta do óleo diesel, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) foi acionada no começo da noite dessa terça para atender uma ocorrência em que um caminhão foi alvejado por pelo menos três tiros ao não parar em um local de protesto na BR 472, em Itaqui, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. 
    De acordo com a PRF, o crime ocorreu às 21h15min, quando o motorista, de 48 anos, natural de Santiago, seguia pela rodovia com seu caminhão, emplacado em São Borja, no sentido Uruguaiana-São Borja. No km 480, no trevo de acesso a Itaqui, ao passar por uma manifestação, ele decidiu seguir viagem quando alguns manifestantes começaram a gritar. Em seguida, o condutor ouviu os disparos. 
    Assustado, o condutor saiu em disparada com o caminhão pela rodovia em direção a São Borja, sendo então seguido por uma caminhonete, que seria uma Saveiro, de cor branca. Três homens estariam na caçamba do veículo. A perseguição seguiu por alguns quilômetros até que os tripulantes da Saveiro desistiram. 
    Mais tarde, o motorista se deslocou até uma unidade da PRF em São Borja e relatou o que aconteceu. Um dos disparos feitos contra o caminhão da vítima atingiu a porta. Os outros dois foram feitos na parte posterior da cabine. O homem saiu ileso do crime. 
    As consequências 
    O segundo dia de protestos dos caminhoneiros começou a apresentar consequências mais graves, mesmo que o governo federal tenha encaminhado um acordo com o Congresso Nacional para a redução do preço do diesel. Em declaração feita na noite de ontem no Palácio do Planalto, Guardia disse que o governo eliminará a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre o diesel e, em contrapartida, os parlamentares devem aprovar o projeto de reoneração da folha de pagamento.
    Apesar disso, Em Pelotas, no Sul do Rio Grande do Sul, quem precisou abastecer, teve uma surpresa: alguns postos já estavam sem gasolina. Nos que ainda tinha o combustível foram registradas filas durante todo o dia.
    De acordo com a assessoria de imprensa da Sulpetro, o município foi o único, até o momento, que registrou que já sofre com a falta de gasolina, já que não houve o abastecimento devido a dificuldade de locomoção dos caminhões de combustíveis de chegarem até aos municípios.  (Correio do Povo)
  • You might also like

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário