• Grupo chinês deve investir R$ 3,9 bilhões e gerar 11 mil empregos no setor elétrico

    Foto: Fernando C. Vieira
    Documentos entregues pelo governo do Estado à Eletrosul e aos parceiros chineses, Shangai Electric e Zhejiang, viabilizaram a constituição da Sociedade de Propósito Específico (SPE) criada pelos três grupos: a SZE Transmissora de Energia Elétrica. A SZE investirá R$ 3,967 bilhões em 1,9 mil quilômetro de linhas de transmissão relativas ao lote A do leilão de energia realizado em 2014 pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), cujas obras ainda não saíram do papel.

    Nesta terça-feira a Eletrosul formaliza à Aneel solicitação de transferência integral do lote A para a SZE. Após a aprovação, a empresa terá 48 meses para entrar em operação comercial. Além da linha, que cruzará 59 municípios do Rio Grande do Sul onde vivem 4 milhões de pessoas, a SZE implantará 8 novas subestações de energia e ampliará as 14 subestações hoje em operação.
    O governo repassou às três empresas o CNPJ da SZE, a inscrição na Fazenda Estadual e o conjunto das licenças ambientais necessárias. Conforme a secretária estadual de Minas e Energia, Suzana Kakuta, serão criados 11 mil empregos, entre diretos e indiretos. A nova linha de transmissão, disse Kakuta, aumentara oferta de energia em 4GB, ou 50% do que hoje está instalado.
    Em 2014 a Eletrosul venceu o leilão, mas devido aos seus problemas financeiros não pode executar o projeto. Em 2016 fez chamada pública de seleção de empresas interessadas em parceria para a implantação do lote A. Para o diretor-presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, "enxugar a Eletrosul, vender ativos e demitir 3 mil pessoas foi a parte mais mais fácil".
    Geração de energia nova
    O mais difícil, conforme Wilson Júnior, foi fechar as parcerias que salvaram o lote A, o que aconteceu e foi assinado em cerimônia no Palácio Piratini . A Eletrosul terá 27% na SZE. Para o Estado, o grande benefício da linha - disse a secretária Kakuta - será a retomada dos empreendimentos de geração de energia limpa (eólica e solar fotovoltaica) e biomassa. O presidente da Eletrosul acrescentou ainda o desenvolvimento do polo carbonífero do RS.
    Havendo capacidade de transmissão de energia, o que ocorrerá com as obras do lote A, investidores terão interesse em tocar projetos de geração, prevê a secretária. Das 44 licenças requisitadas pela SPE, 39 foram já concedidas pelos órgãos licenciadores, como a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam).
    Ao todo são quatro sublotes, que compõe o lote A. A linha de transmissão passará por cidades como Porto Alegre, Guaíba, Viamão, Gravataí, Osório, Capivari do Sul, Alegrete, Santa Maria, Candiota, Livramento, Maçambará e Santa Vitória do Palmar, entre outras localidades.
    A primeira estatal chinesa, Shangai Electric, tem mais de 12 mil funcionários e fabrica equipamento de geração de energia na China. A Zhejiang atua na geração de energia elétrica, óleo, gás carvão e serviços. Emprega 23 mil pessoas das quais 45% são estudantes de graduação.
    Para a cerimônia, no Piratini, com o governador José Ivo Sartori, vieram o diretor-presidente da Eletrosul, Giberto Eggers, o executivo representante da Shangai Electric, Li Xiamoming, e o executivo representante da Zhejiang, Chai Xioiang. (Correio do Povo)

  • You might also like

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário