• Em seu primeiro debate, Haddad é alvo de críticas e questionamentos dos rivais

    Foto: A12 
    Com a ausência de Jair Bolsonaro (PSL), o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, foi o alvo principal dos adversários durante o debate realizado na noite desta quinta-feira pela TV Aparecida, na cidade do interior paulista. Estreante num encontro entre os presidenciáveis, Haddad foi questionado sobre denúncias de corrupção envolvendo petistas e a crise econômica originada no governo da presidente cassada Dilma Rousseff.
    Haddad assumiu a candidatura presidencial do PT somente no último dia 11, em substituição a Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato e barrado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Conforme as mais recentes pesquisas, ele está em segundo lugar nas intenções de voto, atrás do líder Bolsonaro - o candidato do PSL permanece internado se recuperando de uma facada.
    O debate desta quinta, promovido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) no Santuário Nacional de Aparecida, também foi marcado pelo primeiro confronto direto entre Haddad e o tucano Geraldo Alckmin. O petista questionou Alckmin sobre sua posição em relação à reforma trabalhista e a emenda do Teto dos Gastos, aprovada no governo Michel Temer, com apoio do PSDB.
    O ex-governador aproveitou a deixa para responsabilizar Dilma tanto pela crise econômica que gerou 13 milhões de desempregados quanto pelo fato de Temer ser o presidente. "Não precisaria da PEC do teto se não fosse o vale-tudo do PT que não tem limites para ganhar a eleição. São 13 milhões de desempregados, herança da Dilma e do PT. Quebraram o Brasil. O petrolão foi o maior escândalo do mundo", disse Alckmin.
    O petista disse que, se eleito, vai revogar a reforma trabalhista e o teto dos gastos e se defendeu citando mais uma vez a entrevista do ex-presidente do PSDB Tasso Jereissati ao Estado. "Quem se uniu ao Temer para trair a Dilma foi o PSDB. Ele que colocou o Temer com um programa totalmente contrário ao que foi aprovado nas urnas. Tasso Jereissati assumiu que o PSDB sabotou o governo desde a reeleição", disse Haddad.
    Henrique Meirelles (MDB), em outro momento, também afirmou que a crise "criada pelo governo da Dilma foi construída pela aplicação do programa do PT". "Estamos vivendo o momento em que o Brasil saiu do fundo do poço, mas ainda tem milhões de desempregados."
    Haddad retrucou lembrando que o emedebista foi durante oito anos presidente do Banco Central no governo Lula. "Considero a ingratidão um dos maiores pecados da política." A mais enfática censura ao candidato do PT, contudo, partiu do presidenciável do Podemos, Alvaro Dias. Em resposta a um questionamento do petista, Dias afirmou que o PT distribuiu a "pobreza para todos e a riqueza para alguns". "Você, Haddad, vem para essa campanha como o porta-voz da tragédia, o representante do caos", afirmou. "A família brasileira é vítima dessas desigualdades sociais." O petista citou o Bolsa Família. "É um conjunto enorme de programas que foram geridos que fortaleceram a família e você parece desconhecer. Você fica no Senado, no seu gabinete, e parece desconhecer a realidade."
    Ciro Gomes, do PDT, tratou Haddad como "amigo", mas reservou críticas ao partido adversário. Ao falar sobre reforma tributária, disse que o PT esteve no poder por 14 anos, mas não promoveu a reforma. "O grande pacto do PT com PSDB nunca permitiu mudar o sistema."  Haddad respondeu que Lula "fez uma das maiores reformas tributárias às avessas do País".
    O Ibope, em sua mais recente pesquisa, mediu as intenções de voto entre os católicos. Jair Bolsonaro lidera e, no último dia 18, tinha 25%. Fernando Haddad estava com 21%, mas tinha 9% na pesquisa anterior. A transferência dos votos do ex-presidente Lula lhe deu 12 pontos entre os católicos. Ciro Gomes oscilou para cima, com 13% do eleitorado desta religião. (Correio do Povo)
  • You might also like

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário